Avançar para o conteúdo principal

Maternidade Alfredo da Costa - Opinião - DN

Maternidade Alfredo da Costa - Opinião - DN

...sem dúvida, adorei este "desabafo" e concordo plenamente.

Foi também a primeira casa da minha filha, fez ontem 29 meses! Foi não só a primeira casa dela, como o meu porto de abrigo durante aqueles dias; experimentei o profissionalismo, a dedicação, o carinho, a solidariedade, o apoio e a força para abraçar o meu novo projecto de vida, ainda que só...mas no fundo, estive mais acompanhada do que alguma vez pensei.

Não foi apenas a ciência, a técnica, a rotina...tive o privilégio de ter não só direito a tudo isso (pois o parto acabou por ser de risco e fizeram um trabalho formidável), mas também a paciência, o carinho e a meiguice daqueles 8 médicos que acompanharam o nascimento da Bébécas.

Fizeram-me sentir muito mais do que uma puérpera, pareciam o companheiro que eu não tive ali do meu lado; honestamente retrocedendo 29 meses, acabei por estar tão acompanhada...entre aquelas 8 pessoas tive quem conseguisse ajudar a Bébécas a fazer o seu percurso e nascer, tive quem monitorizasse o meu estado e à hora certa percebesse que não estando bem, precisava de oxigénio e fármacos que me ajudaram a resistir, tive quem me segurasse em ambas as mãos, quem me limpasse o suor e as lágrimas, quem me beijasse a testa e acariciasse, e no fim, quem se agarrasse a mim a dizer que a minha filha era linda, que estavam orgulhosos e que me tinha portado muito bem, apesar das complicações.

Digo que a minha filha não poderia ter nascido em melhor casa e em melhor companhia.

Para além disso, o cuidado deles comigo, a meiguice com que trataram de mim, a preocupação, até a suturarem tiveram o maior dos carinhos, parece que tinham todo o tempo do mundo para mim e que naquele momento eu e a Bébécas éramos as pessoas mais importantes e tínhamos que estar bem.

Jamais esquecerei e é com tristeza que vejo o fecho daquela Casa.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.