Avançar para o conteúdo principal

Algo se passa com os embrulhos

Que estamos em crise já todos sabemos; que a conjuntura está grave, também, e que ainda vai ficar pior, acho que muitos ainda não se aperceberam.

Eu adoptei a postura do tentar não pensar demasiado no assunto, fazer as continhas do dia-a-dia, tentar não perder a cabeça, mas também não deixar de consumir minimamente e viver um dia de cada vez.

Às vezes dou comigo, depois de comprar qualquer coisa, a "experimentar" alguma dose de arrependimento, mas depois penso, que também merecemos (eu e a Bébécas), caso contrário seria preferível estar numa prisão.

Pois que, consumismos à parte, esta semana fui comprar um presente para uma pessoa de quem gosto e que merece como é óbvio não só o presente como um embrulho em condições.

Pois que paguei, e começam a olhar para mim com cara de caso, ah, e tal, acabaram-se as caixas e os sacos-prenda!

What?? Não estão à espera que eu leve uma coisa do tamanho do Empire State Building dentro de um saco onde apenas cabe (e mal) uma lata de refrigerante de 33cl.

E não é que foi mesmo o que aconteceu?? Que vergonha, tudo amachucado, mal amanhado e numa loja diga-se de passagem com classe, sair naquele estado.
Não acho normal e tratei de ripostar; lá me ligaram 3 dias depois a dizer que já lá tinham a caixa e o saco guardados para mim e lá fui eu de propósito para que a pessoa contemplada arregale o olho não só com o presente, como também com o embrulho.

Curiosamente aconteceu-me o inverso; fui à Chicco comprar um par de collants e umas meias estilo British para a Bébécas e não tinham sacos pequenos; resumindo, trouxe dois pares de meias num saco em que cabia no mínimo um elefante Babar!

A crise chegou ao economato!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.