Avançar para o conteúdo principal

Balanço 2012

E neste que vai ser o meu último post deste ano (espero eu) aqui fica um balanço simples do que ficou para trás:

 - Não foi um ano bom, nem tão pouco mau; teve os seus momentos, alguns melhores do que outros
 - Desenvolvi projectos pessoais que tinham que ser desenvolvidos e respirei de alívio quando os concretizei
 - Desenvolvi novos projectos profissionais que foram muito bem sucedidos e agora impõe-se continuar no bom caminho
 - Festejei o Dia da Mãe na companhia da minha filhota e da minha própria mãe
 - Proporcionei à Bébécas uma festinha de aniversário com um bolo em que não faltou nenhum detalhe e jamais me esquecerei da carinha dela no atelier da My Cake Store (um grande beijinho para a nossa querida Catarina Cerqueira) a olhar para o bolo e a reconhecer os amiguinhos que a acompanham desde os tempos da alcofa
 - Tal como prometido levei a Bébécas ao Badoca Safari Park - delirou ela e todos os que partilhámos aquele dia fantástico
 - O quarto dela está um encanto e começa a faltar-me espaço para as novas aquisições...mas...
 - Uma amiga de quem tanto gosto resolveu dar uma mana à filhota mais velha e em Fevereiro vamos ver nascer uma pequenina J. com quem a Bébécas partilhou o seu enxoval
 - Perdi algumas pessoas que partiram da vida terrena, custou-me sobretudo o meu afilhado Benjamim, com menos de 10 anos, uma morte que me arrepiou e não o esquecerei, embora apenas o conhecesse por fotografia
 - Ganhei um afilhado novo, desta vez em S. Tomé, e se não tive a oportunidade de ir a Moçambique conhecer o Benjamim, desejo ir em breve à roça deste meu pequenino
 - Também perdi o meu primo Féfé, foi forte, uma coisa inesperada - continuas a ser o meu primo preferido e a tua primocas Bébécas não sei bem porquê, às vezes fala em ti. Expliquei-lhe que tiveste um dói-dói e tiveste que ir embora, mas que no sítio para onde foste...estás bem!
 - Tivemos a Janis, a Janis morreu (para a Bébécas foi embora), agora temos a Prada
 - O Xá continua a ser o nosso Xá!
 - Após ter andado de avião mais umas vezes, ainda não foi desta que vim cá parar abaixo...e...
 - Festejei o meu 35º aniversário, quando pensava que não passaria dos 33
 - Consolidei amizades e pasmei-me pois num ano inteiro já nada que tenha acontecido de inesperado me surpreendeu
 - Tomei uma ou outra decisão que deram a volta ao contexto, mas teve que ser e orgulho-me de encarar e enfrentar as minhas decisões de frente, sem falsidades e mentiras pelo meio; ou é, ou não é


Enfim, tanta coisa, nestes 366 dias que agora findam; vale a pena pensar que o melhor estará para vir!

A primeira surpresa será certamente no próximo recibo de vencimentos, depois na declaração de IRS, etc, etc, etc. O Pedro, o Vitor e a Laura são uns queridos e tinham que abrilhantar esta retrospectiva.

Aos bons desejo um feliz 2013, aos maus não desejo nada, porque isto de se desejar mal também consome energias e a vida encarrega-se dessas coisas, não precisamos de invocar forças maléficas.

Espero cá estar daqui a um ano a fazer mais uma retrospectiva, mas se não estiver, é porque não tinha que estar!

E filhota, se tu soubesses o que vem aí!...enfim, a criaturinha que vem a caminho não tem culpa, mas podia ter tido melhor sorte...algo que nos faça rir, porque de desgraças está o mundo cheio.

Comentários

Miú Segunda disse…
Feitas as contas, foi um ano bom - junto dos teus e com saúde! Um beijinho

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.