Avançar para o conteúdo principal

O 1º Natal

Este foi um ano de surpresas, maioritariamente boas.
Até aquelas que ao início pensamos ser más, cedo se aclara a nossa mente e a sucessão de acontecimentos prova que de facto tudo estava escrito e a sorte grande, a taluda, o grande prémio sai aos mais audazes.

Se não vejamos:
- tive uma gravidez sem complicações da qual resultou uma filha linda
- um parto complicado e doloroso, mas que no momento em que vi a minha filha pela primeira vez tudo se dissipou
- um Verão fabuloso passado na companhia da família e amigos mais próximos
- muitos mimos de todos para mãe e filha
- ainda tive o prazer de aprensentar a filhota à avó B., que embora tenha falecido pouco tempo depois, se encheu de alegria por ter conhecido mais um rebento da família
- a entrada no Outono e a redescoberta do Amor, que andava por aí escondido
- Um Natal fenomenal perto de todos aqueles que mais amo...

...e o que se pretende para 2011?? Que tudo continue assim, a seguir o seu rumo.

Quanto ao Natal, foi extraordinário; se até aqui não lhe dava grande importância, este ano teve um sabor especial, a bébé não se apercebendo do porquê de tanto reboliço, andava entusiasmadíssima com tanta agitação.
Os olhos brilhavam acompanhando o compasso das luzes do pinheiro de Natal, a baba ia caindo e o ar espantado ao ver a forma efusiva como eu lhe abria os presentes, foram dignas dos instantâneos mais deliciosos que tenho dela.

Se por um lado temos que ter alguma cautela com a quantidade...sabem que mais...que se dane...é irresistível podermos mimar os nossos bébés, e digamos que o património da criança subiu a olhos vistos; foi uma alegria.

Será para sempre recordado como um Natal feliz

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

E ela a dar-lhe

"Mãe, aquilo é uma cobra cabelo"....e eu comecei a imaginar como seria cómico se existisse uma cobra cabeluda!

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!