Avançar para o conteúdo principal

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência.

É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir.

O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade.

Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências.

Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta, até aí era apenas uma menina cujas escolhas e comportamentos eram moldados muito mais pela vontade parental.

Posso dizer que a par com escassas situações, foi dos dias mais emocionantes da minha vida. A capa negra pesa-nos nos ombros, as palavras de incentivo de Sua Eminência o Cardeal Patriarca de Lisboa emocionam-nos (mesmo para quem não segue acérrimamente os desígnios da igreja)...mas naquele dia todas as emoções vividas nos tocam de uma forma que nem sequer imaginamos ser possível.

O esforço de anos e anos de estudo, de luta, de noites mal dormidas, de classificações finais mais ou menos adequadas ao nosso esforço é reconhecido, celebrado e festejado juntamente com os nossos semelhantes e com as pessoas que são mais especiais para nós.

Alguns comentem excessos...mas...desculpem qualquer coisinha, a nossa Queima das Fitas apenas se vive uma vez.

Saudações Académicas para todos os laureados deste ano e boa sorte para o futuro profissional que se avizinha.

Comentários

Unknown disse…
Ora aí está uma coisa que infelizmente (por decisão minha quando escolhi o futuro que queria ter na minha vida), que não passei, mas compreendo e apoio todos que se sentem felizes e realizados, durante essa semana, porque após passar quase 20 anos de uma vida a construir e a lutar por algo, quando esse objectivo é concretizado, é sempre de festejar, quanto mais festivo melhor.
A todos também os meus parabéns e a ti também, atrasados, mas sentidos.
beijo
Pipas

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…