Avançar para o conteúdo principal

"Blindness"

Como apreciadora de cinema que sou e das grandes obras, não podia deixar de dedicar um comentário ao mais recente filme de Fernando Meirelles "Blindness".

É um filme que ainda não vi mas que visualizarei oportunamente, conheço tanto a obra que deu origem a esta película, como o realizador através do fantástico filme "A Cidade de Deus".

As minhas expectativas estão de facto num parâmetro muito elevado, mas também não espero menos do que suplantá-las, pois ter a honra de abrir o Festival de Cinema de Cannes não é para todos os realizadores nem tão pouco para todos os filmes.

Pessoalmente, e perdoem-me todos aqueles que gostam do escritor em causa, não gosto particularmente de José Saramago mas como tudo na vida e sem radicalismos à mistura, gosto de alguns dos seus escritos e de todas as obras que li, aquela que retenho é sem dúvida o "Ensaio sobre a Cegueira".

Uma realidade que, analisada daquela forma é muito interessante, uma crueza e ao mesmo tempo o fazer-nos pensar no que está escrito nas entrelinhas. Muito para além de um grupo de pessoas que ao ser "atacado" por uma rara epidemia que lhes ocasiona a cegueira total, pessoas essas que são depositadas num "armazém" para infectados; aí assiste-se a todo o tipo de relações humanas que se possa imaginar, mais ou menos dignas, mais ou menos honestas, mais ou menos aceitáveis.

No fundo com cegueira manifesta ou não, são as relações humanas do mundo em que vivemos e "o pior cego é aquele que não quer ver".

Acredito que o filme seja de facto extraordinário e faça jus à obra em que se inspirou; eu vou vê-lo e espero que os amantes da sétima arte recebam bem esta ob ra.

Comentários

Unknown disse…
Subscrevo tudo o que dizes, também estou cheio de expectativa sobre este filme, apesar de as críticas não serem unanimes sobre ele, mas o que interessa é se nós gostamos ou não.
Beijo
Pipas

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.