Avançar para o conteúdo principal

Misturar o Cristão com o Pagão

Não terá sido o momento mais oportuno de todos, é certo, mas também não foi planeado. Sei que andávamos a passear por Belém, a miúda mascarada (e eu com ar de "estou desejante que o Carnaval acabe"), olhei para ela e lembrei-me que nunca a tinha levado à Igreja de Santa Maria de Belém, a Igreja dos Jerónimos.

Não sei porquê, já que frequentamos tanto aquela zona, adoro aquela igreja, se alguma vez me tivesse casado seria um dos locais em que não me importava de o ter feito.

Lá entrámos, e eu arrepio sempre que entre num local sagrado, e de facto trata-se de um local imponente. Os olhos da Bébécas brilhavam de espanto. 

Detive-me perto do túmulo do Luiz Vaz - está aqui alguém que morreu mamã, perguntou ela. Confesso que acreditei sempre que ele estaria mesmo ali, embora há um tempo tenha lido que na verdade...não. Não sei. Não me pronunciei muito pela questão tumular, mas antes lhe expliquei de uma forma simples que se trata de Luis de Camões, um senhor que viveu há muitos e muitos anos atrás e que escreveu um livro de aventuras com o título "Os Lusíadas" - cheguei a casa, e mostrei-lho.

Lá demos a volta, vimos uma das pias baptismais, o orgão de tubos, o altar-mor, o Sacrário que é qualquer coisa, o Santo António com o Menino, os pormenores dos tectos e das pinturas e chegámos a Vasco da Gama.

Tão pouco voltou a falar se estava ali alguém que morreu; e aí disse-lhe que foi o senhor que descobriu o caminho que tinha que se fazer por mar, de barco, para a India. Estava fascinada com estas noções muito pindéricas que lhe ia dando da nossa História.

O que a impressionou pela negativa foi à saída, no claustro dedicado ao Senhor dos Passos, ter um Cristo em tamanho real num túmulo de vidro, todo "ferido", com as suas chagas e coroa de espinhos, ali, literalmente a jazer.

Questionou se era um morto, se tinha morrido assim. Aí tive que apelar a um certo humorismo:

 - "Não filha, achas!? É apenas uma imagem, um boneco. Jesus teve uns problemas e ficou com muitos dói-dóis, mas depois trataram dele e passados 3 dias ele já estava melhor e saiu do hospital."

Suspirou de alívio.

- "Ahhhhhh mamã, então aquilo é um boneco!"

Ainda eu com quase 40 anos não consigo entender, admitindo que tudo isto se passou assim, como na nossa educação Judaico-Cristã nos foi incutido, porque é que um Homem, que veio para nos salvar, teve que sofrer tanto.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.