Avançar para o conteúdo principal

Misturar o Cristão com o Pagão

Não terá sido o momento mais oportuno de todos, é certo, mas também não foi planeado. Sei que andávamos a passear por Belém, a miúda mascarada (e eu com ar de "estou desejante que o Carnaval acabe"), olhei para ela e lembrei-me que nunca a tinha levado à Igreja de Santa Maria de Belém, a Igreja dos Jerónimos.

Não sei porquê, já que frequentamos tanto aquela zona, adoro aquela igreja, se alguma vez me tivesse casado seria um dos locais em que não me importava de o ter feito.

Lá entrámos, e eu arrepio sempre que entre num local sagrado, e de facto trata-se de um local imponente. Os olhos da Bébécas brilhavam de espanto. 

Detive-me perto do túmulo do Luiz Vaz - está aqui alguém que morreu mamã, perguntou ela. Confesso que acreditei sempre que ele estaria mesmo ali, embora há um tempo tenha lido que na verdade...não. Não sei. Não me pronunciei muito pela questão tumular, mas antes lhe expliquei de uma forma simples que se trata de Luis de Camões, um senhor que viveu há muitos e muitos anos atrás e que escreveu um livro de aventuras com o título "Os Lusíadas" - cheguei a casa, e mostrei-lho.

Lá demos a volta, vimos uma das pias baptismais, o orgão de tubos, o altar-mor, o Sacrário que é qualquer coisa, o Santo António com o Menino, os pormenores dos tectos e das pinturas e chegámos a Vasco da Gama.

Tão pouco voltou a falar se estava ali alguém que morreu; e aí disse-lhe que foi o senhor que descobriu o caminho que tinha que se fazer por mar, de barco, para a India. Estava fascinada com estas noções muito pindéricas que lhe ia dando da nossa História.

O que a impressionou pela negativa foi à saída, no claustro dedicado ao Senhor dos Passos, ter um Cristo em tamanho real num túmulo de vidro, todo "ferido", com as suas chagas e coroa de espinhos, ali, literalmente a jazer.

Questionou se era um morto, se tinha morrido assim. Aí tive que apelar a um certo humorismo:

 - "Não filha, achas!? É apenas uma imagem, um boneco. Jesus teve uns problemas e ficou com muitos dói-dóis, mas depois trataram dele e passados 3 dias ele já estava melhor e saiu do hospital."

Suspirou de alívio.

- "Ahhhhhh mamã, então aquilo é um boneco!"

Ainda eu com quase 40 anos não consigo entender, admitindo que tudo isto se passou assim, como na nossa educação Judaico-Cristã nos foi incutido, porque é que um Homem, que veio para nos salvar, teve que sofrer tanto.


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,