Avançar para o conteúdo principal

Eu não disse!?

A época de saldos começou hoje e para além de não estar propriamente nos meus melhores dias, talvez por ter adormecido no sofá até de madrugada, ter acordado com dores no corpo e afins...pensei, tenho que dar uma volta ao dia, não podia acabar como começou!

Hora de almoço - SHOPPING.

Primeiro perdi-me com coisas para a minha Principesa! Dois vestidos lindos com cueca igual, dois top's e 4 t-shirt's. Qualquer das coisas mais bonitas do que a outra.

...mas não sei, faltava-me um "je ne sais quoi"...passeio meio de lado pela Massimo Dutti, não resisti, entrei...quer dizer, também estava descompensada com o peso das roupas da Bébécas e tal...enfim, lá vieram umas sandálias novas.

Assim, o peso dos sacos equilibrou-me um bocadinho e fez-me sair dali com um sorriso nos lábios.

- Ah, e tal, não devias comprar tantas coisas para a bebé; deixa logo de servir!

Sim, digamos que veste as coisas umas 3/4 vezes e vão para o depósito, tendo ainda por cima em conta o ritmo exponencial de desenvolvimento que ela está a ter...mas, se eu não proporcionar estes mimos à minha filha, vou proporcioná-los a quem?

Já o fiz a quem não merecia...e o pagamento foi um par "deles" que dão a volta ao distrito de Lisboa...vale a pena?

O que vale mesmo é proporcionar a quem mais merece, aos nossos. Aos nossos filhos, aos nossos pais, irmãos e àqueles amigos que atingiram o grau acima de qualquer suspeita, que estão sempre lá, mesmo que não fisicamente.

E isso é que nos dá consolo...ver o sorriso e o ar de surpresa dessas pessoas especiais e que merecem tudo.

Ela hoje, como que percebendo abraçou-se a mim quando cheguei e não largava a minha roupa, o meu corpo, não fosse eu fugir. É o melhor do mundo esta criança!

Comentários

Patrícia disse…
Eu vou ser totalmente honesta contigo: eu detesto ir às compras. Quando a minha mãe me arrasta para algum centro comercial, eu fico à beira de um ataque nervos. Primeiro porque detesto confusão e depois porque vejo tanta coisa bonita que perco-me no meio de tanta cor e desejos de ter o que de momento não me pode pertencer.
Fico contente que tenhas comprado algumas roupitas para a tua filhota. É sempre bom mimar-mos aqueles que mais gostamos no mundo.

Beijinhos=)
Patrícia

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.