Avançar para o conteúdo principal

Sorte ou Azar?

Se partir um espelho em mil pedaços dá direito a pelo menos 7 anos de azar, a que dará direito partir uma garrafa cheia de azeite??

Pois bem, lá andava eu na sexta-feira toda catita a dar vivas ao descanso, momentos zen e tal...e eis que lá para a meia noite num momento de pouca inspiração na cozinha "atirei" inadvertidamente para o chão uma garrafa com 1 litro de azeite.
Só me apetecia chorar, pegar na Bébécas, no gato, que o Honey pegasse em nós e nos fizesse desaparecer dali, do caos gorduroso, daquilo que é o ouro da nossa cozinha.

Passado o pânico inicial, foram jornais, revistas, guardanapos, rolo de cozinha, tudo no chão a absorver tamanha gordura. Blurghhhh.

Depois lixívia, mais o detergente do chão, tudo numa mistura explosiva para fazer face à desgraça.

No fim foi o climax, a vontade de rir e a ida para a banheira, porque até eu pingava azeite por mim abaixo.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.