Avançar para o conteúdo principal

Estou mais nervosa do que ela, Mom Issues!

Sabemos que a transição para o 1º Ciclo nem sempre é fácil e, das duas, não podemos retirar três.

Ou os miúdos são "panhonhas" (como eu própria era com 5/6 anos) e ficam ali sossegados no seu canto a rezar para que ninguém se meta com eles, ou são decididamente despachados e gerir as regras de uma sala de aula não é algo que se consiga fazer ao fim de meia dúzia de dias.

A minha filha está na 2ª opção, mas com um extra em cima - é que é mesmo um "demónio"; ao ponto de há 15 dias atrás ter trazido uma bola vermelha de mau comportamento, e ter neste momento uma distribuição de bolas amarelas em relação às verdes aí de 40/60, o que me começa a aborrecer.

Foi avisada, reforcei o aviso e cheguei um dia, que coincidiu com o final da semana passada em que disse BASTA! Expliquei-lhe que já teve tempo para se adaptar e que não iria tolelar de bom grado mais bolas amarelas.

As justificações foram que o Fábio fala com ela e ela responde-lhe para estar calado - bola amarela; que o José lhe tirou o lápis e ela se levantou para o ir bucas - bola amarela; que estava só a dizer uma coisa à Nicole - bola amarela; and so on, and on, and on.

Voltei a reforçar que até podia aterrar na sala de aula a Elsa e o Olaf, a Dra. Brinquedos e a Princesa Sofia que, as bolas amarelas eram para acabar.

Esta semana, na 2ª feira - bola amarela, juntamente com um convite para a festa de aniversário da actual BFF.

Já passada da cabeça e porque não tolero faltas de respeito (jamais eu levei uma bola amarela para a minha mãe e se a levasse tenho a certeza que tinha levado uma estampilha à moda antiga), encostei-a à parede - se até ao fim da semana voltar a vir alguma bola amarela, não há festa de anos para ninguém.

Como a Lei de Murphy é tramada, a professora não enviou mais ao longo da semana o tal caderno e ela jura-me que a fotografia dela tem estado todos os dias to lado dos "Green Ones" - não me costuma mentir a miúda, mas que estou enervada com isto, estou.

O que me reservará o bendito caderno logo à noite?

Levar ao fim o castigo, se a situação assim o impuser vai partir-me o coração, mas é a única forma que tenho para ela sentir o peso da minha ira e que os maus comportamentos podem ter consequências devastadoras.

Veremos, mas que estou aqui consumida, estou.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,