Avançar para o conteúdo principal

E hoje partiu um dos poucos Homens da minha vida

Ainda estou em choque. Alguém que mesmo antes de conhecer admirava, que me inspirou e que me fez interligar a paixão que tinha pela Comunicação Social à Sociologia.

Nos primeiros anos de curso, via-o passar pelos corredores do ISCTE e desejava ter a sorte em ser sua aluna - as aulas dele eram as mais concorridas, não cabia mais um grão de areia e, por isso, embora tenha escolhido logo a cadeira de Sociologia da Comunicação no 3º ano, os candidatos eram muitos, portanto tive que esperar pelo 4º - a espera valeu a pena.

Não era Professor cujas aulas dessem para tirar apontamentos ou muitas notas - cada tema era mais interessante do que o outro e ele puxava por nós de uma forma brilhante; cedo se estabeleceu uma admiração mútua, tantas vezes ele dizia para mim "esta miúda é inteligente", e eu, entre o rubor na face e o orgulho, ficava sem palavras, quase que me enterrava no chão.

No fundo eu gostava daquilo, gostava do Professor e portanto o caminho estava traçado para ter sucesso.

Foi a medo que lhe fui pedir para ser o meu Orientador da Dissertação do 5º Ano de curso; desde que entrei na faculdade nunca coloquei a hipótese de ter outro orientador que não ele, mas o facto é que, sendo tão requisitado, tinha que dizer que não a muitos alunos; tive sorte, foi com aquele sorriso aberto e o charme que lhe era característico que me disse aguardar ansioso pelo meu pedido, e que seria meu orientador com muito orgulho - isto para mim, aos 21 anos foi mais uma melodia apaixonante.

Escusado será dizer que ainda hoje me lembro sem precisar de recorrer à cábula, qual o número de telemóvel dele; a minha angústia de cada vez que partilhava com ele os meus textos, as minhas dúvidas, receio de estar a ser simplista - mas ele puxava por mim.

Havia a regra de, se optássemos pelos métodos qualitativos, na parte empírica constassem cerca de 15 entrevistas completas, para daí sermos capazes de retirar conclusões minimamente reais. Cheguei, já na perspectiva de o impressionar a dizer que iria entrevistar e trabalhar com 25 reclusos; sorriu, olhou-me de alto a baixo com aquele seu ar meio cómico, meio sedutor, e diz-me:

"Até podia ficar impressionado se não fosses tu, mas para a aluna que és, tenho um desafio - 50 entrevistas bem trabalhadas!"

Respirei fundo e disse - ok!

Depois de já ter o canudo nas mãos, confessou-me que o disse para ver até onde é que eu ia, mas que lhe deu um gozo enorme eu não ter desarmado e ter levado o desafio até ao fim.

Tenho tantas memórias dele...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Há 5 dias sem PDA....deu asneira

 Dizer-se a uma mãe que não pode dar beijinhos à sua criança...é duro de ouvir, digo já. Mas perfeitamente  exequível se pensarmos que é para o bem da criança e então aí...nem que nos paguem 100.000€.  Ah pois é, então e o instinto? Estava a correr tudo muito bem, até que hoje, passados 5 dias sem qualquer resquício de PDA ela aparece-me à porta do quarto com aquelas bochechas maravilhosas, em slow motion eu aproximo-me dela, agarro-lhe na cabeça e dou-lhe dois grandes beijos. E que bem me souberam.  Ela, com os olhos a brilhar e um sorriso rasgado: “Mãeeeeeee, já me podes dar beijinhos!!!” Caiu-me tudo. Como é que eu me fui distrair desta maneira vil. Vontade de me esbofetear foi o que me deu. Bom, não há-de ser nada e a verdade é que uma mãe, por muito que proteja é humana e também falha. Raios partam o COVID. Estou farta deste gajo até à raiz dos cabelos.