Avançar para o conteúdo principal

1 Ano de algo, 3 meses de felicidade

Há exactamente um ano que a minha filha me acompanha; sim, porque sinto-a como minha filha desde a data d concepção, ou, dito de outro modo, desde que soube que ia ser mãe.
E está quase a completar-se um ano desde o dia em que apareceram duas risquinhas vermelhas, naquele singelo teste de farmácia que até hoje conservo no meu baú de recordações.

Foi um ano intenso, cheio de surpresas, umas boas, outras dilacerantes, mas o balanço é muito positivo, pois livrei-me do mal e tenho nos meus braços o melhor dos tesouros que uma mulher pode ter.

Há precisamente 3 meses, 24 horas antes do nascimento da minha princesa, recordo que estas já eram horas um pouco sofridas, com contracções de 15 em 15 minutos e tudo se foi desenrolando ao longo do dia, até ao meu internamento perto da meia-noite.

A carga nervosa que até então me tinha acompanhado, deu lugar a uma certa serenidade, a uma vontade imensa em que todo o processo se desenrolasse rapidamente, para sustê-la nos meus braços, olhar para ela e felicitá-la por ter nascido e por ser minha, a Minha Filha.

E já lá vão 3 meses e parece que foi ontem...life goes on!

Comentários

Unknown disse…
Parabéns às duas!!!
Mãe e Filha, as maiores felicidades do Mundo para ambas.
Beijinhos

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.