Avançar para o conteúdo principal

1 Ano de algo, 3 meses de felicidade

Há exactamente um ano que a minha filha me acompanha; sim, porque sinto-a como minha filha desde a data d concepção, ou, dito de outro modo, desde que soube que ia ser mãe.
E está quase a completar-se um ano desde o dia em que apareceram duas risquinhas vermelhas, naquele singelo teste de farmácia que até hoje conservo no meu baú de recordações.

Foi um ano intenso, cheio de surpresas, umas boas, outras dilacerantes, mas o balanço é muito positivo, pois livrei-me do mal e tenho nos meus braços o melhor dos tesouros que uma mulher pode ter.

Há precisamente 3 meses, 24 horas antes do nascimento da minha princesa, recordo que estas já eram horas um pouco sofridas, com contracções de 15 em 15 minutos e tudo se foi desenrolando ao longo do dia, até ao meu internamento perto da meia-noite.

A carga nervosa que até então me tinha acompanhado, deu lugar a uma certa serenidade, a uma vontade imensa em que todo o processo se desenrolasse rapidamente, para sustê-la nos meus braços, olhar para ela e felicitá-la por ter nascido e por ser minha, a Minha Filha.

E já lá vão 3 meses e parece que foi ontem...life goes on!

Comentários

Unknown disse…
Parabéns às duas!!!
Mãe e Filha, as maiores felicidades do Mundo para ambas.
Beijinhos

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri