Avançar para o conteúdo principal

Olhar com atenção

Uma das minhas características pessoais prende-se com o facto de ser muito observadora, às vezes confesso que até demais.

E confesso, sou humana, logo uma pecadora, não deixo de ter por vezes um olhar mais ou menos depreciativo perante determinadas situações que se me afloram à vista.
Convenhamos que há situações de bradar aos céus e de uma falta de senso impressionante.

Mas adiante, não nos percamos em divagações, até porque o tema de que quero falar é bem mais interessante do que faltas de senso ou de gosto.

Estava eu ontem na nossa maravilhosa cidade de Lisboa, numa noite fria e com alguma chuva a descer a Avenida Duque de Loulé, e já muito perto da intersecção com a praça Marquês de Pombal, à esquerda, houve um aglomerado de pedra que me chamou à atenção.

Registe-se que passo em dita avenida várias vezes, e pensava eu que já a conseguia descrever de olhos fechados. Pois que o tal aglomerado de pedra, era não mais do que uma estátua do não menos ilustre Camilo Castelo Branco.

Conheço aquela avenida há anos, transito naquela avenida vezes sem conta e pois que só ontem dia 27 de Janeiro do ano da graça de 2009 é que me deparo com uma edificação porventura quase secular.

Tenho que canalizar a minha atenção para as coisas que realmente importam, tenho que aprender a olhar a minha cidade com ainda mais cuidado e atenção, porque, por razões mais do que óbvias, ainda tem muitas surpresas escondidas com as quais me posso vir a deslumbrar.

...ah, já me esquecia, não há nada como dar atenção a factos que de facto a merecem, e deixar de lado algumas "energúmenices" (esta palavra dificilmente existe, mas é a adequada neste momento) das quais somos alvo nas nossas lides diárias.

Comentários

Andreia disse…
Então escapou-te o Camilo??

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,