Avançar para o conteúdo principal

Fica-me na memória e no coração

Já passaram 2 meses desde que o deixei ali, exactamente no mesmo sítio em que o fui buscar novinho em folha há 13 anos atrás.

Foi um companheirão, o meu tudo, e quando me sentia mais sozinha foi nele que corri este país de lés a lés, em busca de paz e de sonhos. Não foi o meu primeiro carro, mas foi o primeiro carro que comprei, a estrear, feito de raiz para mim, e pelo qual tive que esperar quase 3 meses.

Foi emocionante naquela altura, o cheirinho a novo e o que eu gostei dele. Quase 200.000kms depois, posso dizer que cumpriu bem a sua missão.

Sinto saudades; por um lado estou feliz por ter outro, aquele cheirinho a novo novamente, sei que neste momento tenho algo mais fiável, pois o Bob andava a deixar-me ficar mal, a fazer-me gastar imenso dinheiro, mas por outro faz-me falta aquele companheiro de 13 anos, a máquina, em substituição do homem, que me levou à maternidade para ter a minha filha, a bengala de todas as horas.

Hoje, recebi o certificado do abate - foi desmantelado, e com ele levou uma série de estórias e memórias, que eu, enquanto ser humano, guardarei na memória e no coração.

Não te esquecerei companheiro!


Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,