Avançar para o conteúdo principal

E lá vai ela para o 1º Ano...

Há precisamente 6 anos atrás, estava eu grávida de 31 semanas e aconteceu algo que jamais imaginei que pudesse ocorrer; olho para trás e ainda não compreendo como é que um ser humano é capaz de actos tão desumanos, reprováveis e sem classificação - comportamentos que não testemunhamos no reino dos animais ditos irracionais.

Certo é que se diz que os animais irracionais agem por instinto, mas de facto quando é o Homem a agir por instinto, infelizmente tais acções são bastante reprováveis, intoleráveis e denotam grande falta de carácter e grandeza.

E desde aí, superei-me - naqueles momentos há 6 anos atrás e com uma barriga de 31 semanas, 32 e, por aí fora, não julguei ser capaz de ir muito além. Mas o tempo passou, cheguei às 40 semanas, às 40 semanas e, mais 4 dias depois, nasceu uma menina saudável que me agarrou à vida, quanto mais não seja porque a minha demanda passou a ser o que podia fazer por ela e o legado moral que lhe podia deixar.

Foi duro passar por tudo sozinha, ainda o é, há momentos fantásticos, há momentos de luta, há momentos em que fraquejo, mas passados 6 anos eu vejo uma criança feliz - superei-me, sim, conseguir transmitir a uma criança a segurança e a felicidade que não sentimos, é obra.

Hoje, e até parecendo que desde as 31 semanas de gravidez, passou o mesmo tempo de ir ali dormir uma sesta e voltar, fui matriculá-la no 1º Ano do Ensino Básico. A minha filha vai iniciar o seu percurso académico, que espero seja brilhante, e aqui estou eu para continuar a fazer de tudo para a amparar nos sucessos e nos fracassos, porque esses também fazem parte da nossa história - sinto alegria, sinto nostalgia, bolas, o sofrimento e a dor deixam marcas incalculáveis, mas sinto-me feliz por apesar de tudo, continuar a ser capaz e o que mais desejo é que, após o fim da minha linha, ela me recorde como uma mãe porreira, que apesar de todos os defeitos e falhas e também dificuldades fez o melhor que pôde e, acima de tudo, nunca deixou de a amar com todas as forças.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.

Os adultos choram?

 - Claro que sim filha, porque não haviam de chorar quando sentem essa necessidade!? - respondi eu, ao que ela me diz: “Nunca te vi chorar mamã” Tantas lágrimas minhas lhe omito desde sempre, tantos momentos de dor, de tristeza...a minha filha pensa que eu sou um rochedo. Nunca me viu, ou não se lembra de me ter visto chorar. Poupo-a à preocupação de me ver desabar quando tal acontece e, pelos vistos, com sucesso. Mas a mãe chora, e muito, muito mais do que desejaria, sem dúvida.