Avançar para o conteúdo principal

O 1º Mês

A minha filha perfez hoje o seu 50º dia de vida e posso dizer que estes têm sido os dias mais maravilhosos da minha vida, ainda que com as devidas nuances.

Olho para trás e relembro já com saudade o momento em que a tive sobre mim pela primeira vez, o momento em que olhei profundamente os seus olhos e lhe disse "olá filha"...e ela manteve um olhar tão terno e sereno. No fundo já nos vinhamos a conhecer há 9 meses e foi sempre tão bom.

Embora tenha sido uma gravidez passada em grande parte sozinha, em angústia e abandono, também foi uma temporada de grande ansiedade no sentido positivo, uma grande expectativa em conhecer aquele ser que crescia de dia para dia dentro de mim e que eu suspeitava que iria depender inteiramente de mim...infelizmente, não para mim, não para ela, mas para quem optou não a acompanhar ainda estando ela dentro de mim.

E por todas essas razões, mas sobretudo por me sentir mãe desde o primeiro momento, este amor crescente, transborda, transborda, transborda e tenho a certeza de que faço e farei tudo por ela. Desejo cada vez mais e anseio pela sua felicidade, por manter sempre aquele brilho no olhar dela, por manter os seus lindos olhos para sempre belos, alegres e semelhantes às mais belas pérolas negras do Tahiti.

Não consigo descrever por palavras o amor que eu enquanto mãe sinto por aquele ser ao mesmo tempo tão frágil e tão forte, determinado e capaz de me arrancar sorrisos de felicidade quando o meu coração ainda chora.

Foi um primeiro mês de grandes descobertas, de muitas dúvidas, de muita aprendizagem....mas sinto que sou Mãe...e "pronto". Sei ser mãe dela; sinto que faço tudo por ela, penso sempre nela, sei tudo sobre ela, sei de cor o seu cheiro, interpreto o seu choro, sofro quando se arranha a ela própria, doeram-me a mim as picadas das primeiras vacinas, doeu-me a mim o teste do pézinho, fiquei enternecida quando me esboçou o seu primeiro sorriso e fico sem palavras sempre que me dizem "parabéns, ela é linda".

Fico sem palavras!? Choro até, lágrimas essas de felicidade e de incredulidade ainda, face ao facto de um ser humano poder gerar uma obra prima tão perfeita, tão escorreita, tão bela. E esse ser humano que gerou algo tão belo sou eu.

Agora sim, sei que a perfeição existe e a personificação dela é a minha Filha.

E amo-a sempre; quando nos olhamos naquele momento íntimo e só nosso em que a amamento; amo-a ao vestir-lhe as roupas que lhe escolho com tanto carinho; adoro-a quando lhe dou banho, penteio, ponho creme...; todos os momentos das 24 horas que o dia tem são vividos em função dela e mesmo as noites mal dormidas, o parto doloroso, o pós parto, as preocupações daí decorrentes valem e valeram a pena...porque a minha filha é o bem mais precioso que a natureza me poderia algum dia ter dado.

E agora que já nos conhecemos e entendemos, todos os dias que passam são de cultivo dos laços de amor, muito amor e acima de tudo um amor puro.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Quando me levam a miúda e só para me chatear partilham a prova do crime

 A vingança serve-se em bom. Aguardem-me, pestes!

Saudações Académicas

Para quem é ou já foi estudante universitário, o mês de Maio é o mês das Academias por excelência. É para muitos que todos os anos se opera o virar de uma página e o recomeço da escrita de outra, que mais não são do que as páginas das nossas vidas, das nossas memórias e de tudo o que estará para vir. O mês de Maio de 2000 foi um dos meses, um dos ritos que não esqueço, rito esse que me é relembrado todos os anos. É indescritível o que nós sentimos quando estamos perante o fechar de uma etapa...foi nessa altura que senti o peso dos anos, o peso de alguma cultura, de relativa sabedoria no nicho que escolhi para mim e para o qual tenho vocação, o peso da responsabilidade. Saber que daí para a frente nada iria ser como dantes, saber que iria começar a estar por minha conta e risco, provar uma certa independência, fazer cada vez mais as minhas escolhas, ser responsável por elas e assumir os seus riscos e consequências. Sim, foi aos 22 anos que de facto me senti a entrar na vida adulta,