Avançar para o conteúdo principal

Há momentos na vida

que são momentos cruciais e que são tão intensos e importantes que ficam sem dúvida para a nossa estória e história de vida.

São daqueles momentos mágicos e indescritíveis, que apenas passando por eles sabemos como vamos reagir e como vai ser o futuro próximo, porque por mais que fizesse parte do nosso imaginário, só no momento do "real" é que tomamos consciência das implicâncias que tais momentos podem ter.

Mas esses tais momentos bons, podem ser ao mesmo tempo angustiantes e a magia cedo se transforma em incertezas, em dúvidas e contradições.

E por vezes, sentimo-nos completamente enclausurados numa Torre de Babel, sentimo-nos a retornar a uma das histórias dos templos biblícos, porque é incrível como muitas vezes aqueles que pensamos que nos são próximos não entendem nem nunca vão entender a nossa linguagem, os nossos simbolos, a nossa semiótica.

E é incrível que nos momentos em que mais precisamos dos outros, raramente eles lá estão, pois o egoismo e as causas pessoais se suplantam às causas mais nobres e temporalmente mais importantes.

Resta-me passar amanhã o dia em que perfaço 32 anos junto da família mais chegada, receber os seus sorrisos e os seus mimos, porque aniversários só os festejamos uma vez por ano, nunca sabemos se festejaremos o próximo e mais importante que isso, este para mim vai ser um aniversário com um gostinho bem especial.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Esta miúda que por sinal é minha filha...

 Estava eu a aspirar a casa e ela decidiu observar-me(nos). “Mãe, esse aspirador é do Rei dos Aspiradores. Não sabia que o aspirador de cá de casa era desses. Não devias dar dinheiro a esse homem mãe.” Nem comentei, nem tão pouco estou com presença de espírito para tentar perceber que cenas escabrosas a respeito do tal senhor que era o “manda-chuva” da Rainbow chegaram aos ouvidos da minha filha. Está a ser muita mudança para a minha cabeça. A miúda está mesmo a crescer...a galope e eu, começo a ficar para trás. Maldita idade...a minha! A dela, recomenda-se, mas de preferência com menos audácia e argúcia.