Avançar para o conteúdo principal

Políticos e Troca-Tintas

Se há coisa irritante são os comportamentos "diz que não disse" de muita gente, nomeadamente da classe política.

Uma coisa que eu aprendi nos meus tempos de estudante de Sociologia foi a saber debater e defender uma ideia e, como tal, defendê-la até ao fim.

Eu gosto da côr preta, ok, gosto da côr preta. Amanhã também posso vir a gostar da côr burro quando foge, mas não deixo de gostar da preta.

Isto é como andar de bicicleta (passo a expressão); uma vez aprendida a proeza jamais se esquece.

Pois que fiquei recentemente com os olhos esbugalhados face a uma notícia do foro político nacional; conheci o agora deputado pelo PS - Miguel Vale de Almeida quando era universitária, no ISCTE e tenho muito boas recordações da sua pessoa enquanto docente de Antropologia. Uma pessoa inteligente, um bom professor.

Pois que essa pessoa inteligente fazia parte da formação do Bloco de Esquerda, é o que lhe costumo chamar, um dos históricos e, embora eu não concordasse com mais de metade, tiro-lhe o chapéu pois ele debatia as suas ideias com convicção e seriedade.

Qual não é o meu espanto quando venho a saber que agora é deputado pelo PS; no fundo não tenho nada pessoalmente contra, repito que é uma pessoa inteligente e pelos vistos agora professa uma ideologia que até me agrada mais, mas não haverão certas ideologias que deveriam ser para a vida?

Comentários

Unknown disse…
Obrigado pelo comentario eu desiste a pessoa não vale nada eu passo á frente é simples

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

Portugal, aquele tal Estado laico que nos enfia pelos olhos e pela alma dentro os desígnios da suposta fé Católica

 Eu aprecio o Papa Francisco e respeito quem tem fé, quem acredita. Deus pode ser adorado de várias formas, mas o fausto e a sumptuosidade da Igreja Católica não são de todo o que vem nas Escrituras. E defendo que cada vez mais deveriam eclodir os valores da humildade e do amor ao próximo e sobretudo canalizar a riqueza para onde ela é mais necessária. Sejam verbas da Igreja, dos fiéis ou do Estado, e nesse Estado também entro eu, acho vergonhoso o aparato que tem uma jornada destas. A sua essência é um bluff.  Sejam jovens, adultos, ou idosos, a clara maioria dos envolvidos nesta epopeia não vale nada, não faz nada para que a sociedade em que vivemos seja melhor. Porque pouco faz no seu “quintal”, para com as pessoas com que se cruza, para com o vizinho do rés do chão, para com a/o namorada/o que dizia amar como jamais amou alguém e no dia seguinte, o melhor que tem para dar é…ghosting; para com os avós, os tios, os pais…ou um desconhecido que precisa desmesuradamente de ajuda. As cri