Avançar para o conteúdo principal

Portugal-Jacking

Que Portugal há muito deixou de ser um belo jardim à beira-mar plantado, já muitos de nós o sabemos e por certos pontos...ainda bem.
Há que sair do anonimato, mas pelo menos que seja por bons motivos.

Mas, o actual estado da (in)segurança no nosso país é algo que começa a preocupar-me seriamente.

Os casos isolados de criminalidade em geral devem requerer a nossa melhor reflexão, mas estamos a assistir diariamente ao advento de uma onda de crimes e vandalismo que tocando quase toda a tipologia de criminalidade, se está a tornar preocupante.

Agora pergunto-me, esta onda está em formação neste momento, ou os meios de comunicação social ter-se-ão lembrado agora que este tema afinal também vende?

Assaltos, roubos, homicídios, raptos, violações...sempre os houve, é certo. Mas estamos a assistir neste momento a uma quase histeria da bandidagem que resolveu atacar em todas as direcções, com uma periodicidade alucinante.

O aumento dos índices de criminalidade está associado a vários factores, nomeadamente questões peremptoriamente relacionadas com a esfera económica, e como em tempo de crise não se limpam armas, acabam sempre uns por ser mais afectados do que outros.

Pensando com alguma irracionalidade entendo que o desespero possa levar a cometer certos actos, mas existem outros tantos actos para os quais não há perdão possível.

Portanto espero que quando os nossos ilustres dirigentes políticos regressem dos seus merecidos (ou não) banhos, reflictam activamente acerca desta nova vaga que está a caracterizar o nosso país, e que sejam tomadas medidas rápidas, urgentes e eficazes não só para proteger os possíveis futuros lesados, como também evitar que situações semelhantes às quais temos assistido nas últimas semanas, ocorram com a frequência com que têm acontecido.

Comentários

Unknown disse…
Concordo em pleno contigo, e já tive várias "discussões" sobre este assunto no universo bloguístico.
Portugal está a atravessar uma fase muito má económica e social e é normal(não deveria)que a criminalidade aumente.
Também acredito, que os médias aproveitam estes casos e os explorem ao maximo para vender, aumentando o clima de insegurança.
Quanto à classe política, têm de se começar a aperceber que a justiça em Portugal é muito leve e que deveriam de existir penas mais pesadas.
Beijo
Pipas
J. Maldonado disse…
A criminalidade tem que ser combatida também com medidas preventivas, que vão desde leis mais duras para os crimes violentos até medidas de acção social que visem atenuar o estado de pobreza do país.
É muito complicado...

Mensagens populares deste blogue

Já começo a sentir o cheiro a férias...

Embora esteja a braços com uma bela gripe de Verão; antes agora, do que daqui a uns dias.

"Quem me Leva os Meus Fantasmas"

Tive oportunidade de ver há dias uma entrevista com o Pedro Abrunhosa (músico de que gosto bastante pela sua atitude e mensagens que passa) em que ele dizia que as suas músicas/letras são o reflexo das suas catarses, de situações que o perturbam, ou que lhe agradam e que ele tem que extrapolar para o exterior. Achei engraçada a analogia, pois com o sentido de humor que lhe é característico refere que é uma maneira de não perder tempo e dinheiro a ir ao Psiquiatra, entretém as pessoas e ainda lhe pagam para isso. O filósodo Lou Marinoff, brilhante também, como forma de evitarmos a cadeira do analista propõe-nos "Mais Platão, Menos Prozac". Concordo com ambos. E aqui deixo uma letra fabulosa de Pedro Abrunhosa, que transmite muitas das certezas e incertezas da minha existência, e foi também a seu tempo a banda sonora de eleição de uma anterior relação por mim vivida. Quem Me Leva os Meus Fantasmas "Aquele era o tempo Em que as mãos se fechavam E nas noites brilhantes

Apropriação

 Costuma ser um terreno simpático e bem cuidado, com relva bem aparada e quando o tempo o permite as crianças brincam até ao limite do dia. Fica em frente a minha casa.  Hoje testemunhei uma apropriação e que imagem mais maravilhosa. O pato Pateco descobriu uma nova casa, e enquanto ali houver água, desconfio que de lá não sairá. Vou investigar e dar-lhe um olá todos os dias. O pato Pateco merece. A beleza na simplicidade…